20/08/2009

Você acredita em vampiro? Eu acredito!

Você acredita em vampiro? Eu acredito!

C. L. Costa, 13 de agosto de 2009


Eles estão entre nós! Vindos do mundo das trevas são filhos de Drácula, netos de Belzebu, o príncipe dos demônios. Abomináveis criaturas que saem das suas sepulturas para sugar o sangue dos vivos.

Mas não se engane! Desde os remotos tempos bíblicos eles já caminhavam aqui na Terra bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Aterrorizantes e ameaçadores eles se disfarçam com aparência humana andando livremente entre nós para roubar, matar e destruir.

João Batista os chamou de "raças de víboras"; Paulo de "ministros de satanás"; João de "filhos do diabo"; o próprio Senhor Jesus os chamou de "serpentes", e também de "os filhos deste mundo" por causa de suas sagacidades.

Eles são os mestres da enganação! São semelhantes aos sepulcros de mármores branco, exteriormente parecem magníficos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia.

Você já deve ter ouvido falar de alguns vampiros brasileiros: Zé Vampir, Bento Carneiro, Conde Vlad, Liz Vamp, Bóris Vladescu. Estes não passam de personagens literários para satirizar os defeitos e vícios dos verdadeiros vampiros.

Como a sanguessuga eles nunca se fartam, nunca dizem: basta! Somente: dá e dá. O filósofo alemão Friedrich Engels disse o seguinte sobre eles: "o vampiro não largará a presa enquanto houver um músculo, um nervo, uma gota de sangue a ser explorada".

Podemos encontrar esses seres hematófagos dentro das sinagogas de Satanás espalhadas pelo mundo, que na verdade são templos religiosos com o nome falso de "igreja". Seus líderes são falsos apóstolos, falsos profetas, falsos pastores e falsos mestres. Muitos estão nas rádios e nas TVs em horários nobres e pelas madrugadas (sessão terror). Escrevem livros, compõem músicas, promovem campanhas, shows e seminários. São negociadores de Deus, comerciantes da fé. Fazem qualquer negócio
em busca de carne fresca para cravar os dentes e saciar a sede por sangue.

Estou falando dos indivíduos que usam a fé para enriquecerem a custa alheia e por meios ilícitos. Como vampiros, vivem somente de sugar o dinheiro alheio. A doutrina do dízimo de Malaquias 3:8 serve apenas para aliviar momentaneamente seus apetites. Mal sacia a sede dos vampiros por Mamom. A oferta pela qual os membros de uma religião oferecem ao vampiro o fruto do seu trabalho prova preto no branco, por assim dizer, de que dispuseram livremente de si mesmos. Mas concluído o negócio, descobre-se que eles não eram 'ofertantes livres', que o momento no qual deram como oferta o dinheiro foi o momento no qual foram forçados a ofertá-los, que de fato os vampiros não largarão a presa enquanto houver um músculo, um nervo, uma gota de sangue a ser explorada.

Sejamos totalmente consciente, sóbrios e lúcidos de que a verdadeira religião está firmemente edificada no amor de Deus oferecido a todos gratuitamente através de Jesus Cristo. Que a oferta e o sacrifício que agrada a Deus é o culto que faz uso da razão. E que o amor ao dinheiro é idolatria a Mamom (riquezas), e que não podemos servir a Deus e as riquezas (Mamom).

"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele." (I João 2:15)


Fonte:

Comunidade Batista Missão da Fé
Jornal Urro do Leão & Missão Ichthus
www.urrodoleao.com.br

2 comentários:

Anônimo disse...

:)

Anônimo disse...

gostii