01/09/2010

Deus (também) é Brasileiro!


O brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Nossa tragédia é que não temos o mínimo de auto-estima. - Nelson Rodrigues



Já há bastante tempo percebo que em meu coração vem brotando algo que esta relacionado à minha identidade como Cristão, mas especificamente como um cristão brasileiro. Desde muito cedo em nossa vivencia religiosa somos condicionados a ouvir, ler, e como músicos tocar em nossas igrejas, materiais que não são produzidos no Brasil. grande maioria destes materiais foram produzidos fora de nosso país, mas especificamente nos estados unidos. E com uma utilização contínua destes materiais passamos a adaptar à nossa cultura, uma litúrgia “gringa”, que na verdade, não tem relação com o dia a dia de nosso povo.

É comum hoje em nossas Igrejas cantarmos traduções de grupos estrangeiros como Hillsong, hossana Music, Vineyard, entre outros, que não deixam de ser grupos que expressam com qualidade e beleza as suas canções, mas fica sempre em meu coração uma pergunta; Onde esta o espaço garantido em nossa liturgia brasileira para os nossos salmistas e poetas com cheiro e jeito de Brasil. Sinto em muitas reuniões que visito, que em meio ao período de musica sou descaradamente transportado para outra cultura, e no momento da reflexão ouço vozes de gente que não sabe a realidade e a dor do dia a dia de nosso povo. Já cansei de Ver púlpitos inspirados por “profetas” que falam uma linguagem de outro povo que não é o meu, e ver igrejas cheias de cantores que cantam uma música que não é a nossa, e sempre fica a pergunta; em que país será que estou?

Às vezes me parece que nós criamos um tipo de rejeição contra nossa própia identidade, e loucamente demonizamos as coisas que são nossas, o nosso sangue, a nossa raiz. Mas em parte sei que isso não é uma culpa estritamente nossa, somos ensinados assim e por gente que assim aprendeu, pessoas estas vitimadas por este evangelho com identidade colonialista. Se tiveres dúvidas vide o “cantor cristão” ou a “Harpa Cristã”, e veja se lá dentro vais encontrar algum brasileiro perdido?

É comum encontrar quando buscamos em algum material evangélico, mais especificamente DVDs cristãos produzidos fora do País, os grupos estrangeiros tratar como ápice emocional da produção, o adicionar um coral de “índios”, “africanos” ou “órfãos” para cantar. Este tipo de imagem nos passa a idéia de que este evangelho elitizado produzido “lá” também pode ser compreendido pelos Bichinhos de estimação de “cá”, ou em qualquer outra nação a ser vulgarizada. Não quero produzir uma sensação de revolta ou um “anti-americanismo”, coisas que considero ridículas também, mas desejo que entenda e possa ter estas percepções, de que este perfil de evangelho e religiosidade esta em total desconexão com nossa identidade, contrariando o que somos.

Creio que se fosse à vontade de Deus de que nossa liturgia fosse refém de outra, Ele teria provido que o Brasil fosse colônia de algum pais Europeu, ou até dos EUA. Mas não, ele permitiu a nossa nação ter sua própria identidade, a sua cara, forma e jeito de ser. Estas que são características únicas, este multicolorido que nos torna uma nação única no mundo. Gosto de pensar no Céu multiforme, multicolorido, multimusical, multicultural, onde há espaços para todos, cada um do seu jeito e da sua forma, com sua alegria e emoção, mostrando pro Pai a beleza do que ele criou, explicando o porquê todas as flores do mundo não são amarelas, mostrando que nosso Deus é colorido.

É tempo de refletirmos e encontrarmos a nossa identidade, resgatar esta brasilidade Linda, aprendendo que o rock não é do diabo e nem samba também. Parar de ser “cover” e assumir esta identidade, seja como “músicos ou pastores”, a de que estamos nesta nação para sermos Brasileiros, e o Melhor brasileiros Cristãos de chinelo havaiana e tudo. Por fim o que quero inspirar você, não é rejeitar o que “eles” nossos irmãos estrangeiros são, e sim aceitar e amar o que nós somos.

Para finalizar meu texto quero deixar para você meditar, esta canção do Luis Arcanjo, que para mim tem resumido muito o que estou sentindo estes dias.


Samba pra Deus - (Luis Arcanjo)


Ah, Quando eu era menino eu quis
Quis cantar samba pra Deus ouvir
Mas alguém cruel me disse que
Deus não gostava e ai
o meu coração menino chorou
e o que eu vou cantar pro meu Senhor
Se meu samba é meu melhor
Me senti frustrado, triste e só

Chorei escondido e enquanto escondido insistia
Cantando pra Deus e batendo na lata vazia
Eu não saberia explicar a ceeteza que vinha
Que Deus lá do alto ouvia, gostava e sorria

Ah, deixa eu cantar do jeito meu
e se eu dançar vai ser pra Deus
Só pode dizer o que é isso alguém que sentiu
Deus ouve além de uma canção
Sabe o que vem do coração
O que há de errado em cantar um som do Brasil?



Um grande Abraço e meus desejos de Bem e Paz
Leandro Barbosa





Fonte: Emeurgência, via Genizah



Nos anos 80 (para quem lembra) o Grupo Novo Alvorecer lançou o LP Sentinela onde tinha uma canção "Tropical" de autoria do genial Daniel Vieira Ramos Filho, também denunciava a falta de um som genuinamente brasileiro abafado por tendências estrangeiras.
" Louvar condicionado à uma tradição
Reluta o ser livre radicado no cristão..."
O que diga-se de pasagem não mudou muito conforme denuncia o amigo Leandro Barbosa.

Segue a Letra de Tropical

Tropical

A Saga dessa Terra faz parte do meu Corpo
Não venha fazer pouco da minha inspiração
Meu coração latino recente quando o hino
Fala de Um Deus que nunca esteve no Sertão


[refrão]

Tropical,tropical,tropical...
Tão isolado meu problema no quintal
O meu consolo é ter um Deus universal
Fez a Caatinga como qualquer vegetal
A Sua imagem eu fui feito um ser igual...


Louvar condicionado à uma tradição
Reluta o ser livre radicado no cristão
Meu coração sincero recente pois só quero
Chegar perante Deus bem do jeito que eu sou...






Um comentário:

disse...

Adorei seu blog, inclusive levei o vídeo do Luiz Arcanjo para meu blog ok.
Bjss querido!